Testemunhos

Terreno dos Açores

Beatriz Nogueira

Terreno dos Açores

“É difícil escrever este testemunho. Estou a um mês de acabar o MOVE e este testemunho parece oficializar ainda mais a minha partida. A um mês de regressar a casa é complicado não pensar que podia ter feito mais e que o tempo passou a voar, mas a verdade é que tudo o que eu e a minha equipa fizemos teve impacto e que estes seis meses valeram, sem dúvida, a pena!
O MOVE era uma experiência que já queria ter há algum tempo e, tendo em conta que várias amigas minhas já o tinham feito e que diziam maravilhas da experiência, a vontade em vir era mais que muita. No entanto, a minha relutância em vir para os Açores era alguma, porque tinha na cabeça que uma experiência de voluntariado só valia a pena fazer num país em desenvolvimento, onde as dificuldades fossem aparentes. A verdade é que estava enganada e, depois de estar cá, percebi isso. Em São Miguel há um grande défice de motivação e proatividade, que se nota bastante nas gerações mais jovens e que é muito preocupante e, apesar de os apoios do governo serem mais que muitos, é necessário que as mentalidades sejam mudadas, e é aqui que nós entramos. Mas, melhor do que ser eu a explicar-vos a importância do vosso trabalho e o encanto dos Açores, acho que vão perceber isso pouco tempo depois da vossa chegada. Se forem como eu, à medida que o tempo passar, vão apaixonar-se cada vez mais pela ilha. Vão se apaixonar pelo caminho para casa, pelo mar que vão ver todos os dias, pela simpatia e simplicidade das pessoas, e sobretudo, pelo trabalho que vão poder fazer.

É difícil escrever este testemunho. É difícil ter de me despedir de todas as pessoas com quem criei uma relação. Acho que o que mais vou recordar desta experiência vão ser as pessoas e por isso é tão difícil despedir-me delas. É difícil despedir-me da Adelina, da Emiliana e do Roberto que acompanhei durante todo o tempo e por quem sinto um enorme carinho e amizade, é difícil despedir-me dos meus alunos do Porto Seguro e do Trevo de quem tanto gosto e que tanto me ensinaram, e é particularmente difícil despedir-me dos meus quatro colegas com quem vivi e com quem partilhei momentos únicos durante estes meses e de quem vou ter muitas saudades.

Agora é a vossa vez de puderem aprender tanto quanto eu e de puderem criar estas relações que só o MOVE vos dá. Venham com vontade, garra e persistência. Fazer parte das primeiras edições de um terreno é difícil e ingrato e, por vezes, pode parecer que não estão a fazer a diferença, mas estão! Estão a criar as bases para que futuras edições possam trabalhar ainda melhor que vocês. E, se num ano os resultados já saltam à vista, imaginem daqui a 10 anos!

É difícil escrever este testemunho. Chegou a altura de vos passar todo o trabalho que com tanto esforço e carinho fiz e espero que o agarrem ainda com mais força que eu, só assim vão chegar ao final com a sensação de dever cumprido! Vivam esta experiência ao máximo, aproveitem bem, conheçam a ilha, deem passeios, façam amizades, provem queijo branco com pimenta da terra, vão fazer trilhos, apanhem sol e, acima de tudo, divirtam-se!

Por fim, obrigada Inês, Joana, Tomás e Gui por me terem ajudado a viver esta experiência da melhor forma possível!”