Newsletter: Dezembro 2016

São Tomé e Príncipe

De TS’s a Empreendedoras em 4 meses
Depois das nossas formações em gestão, algumas das beneficiárias do projeto Trabalhadoras do Sexo acabaram o ano em grande com a entrega dos materiais necessários para arrancarem com o seu negócio. Agora começa o trabalho a sério, e o MOVE estará lá desde o início para as acompanhar e ajudar em tudo o que elas precisarem para serem o novo negócio de sucesso da ilha. Força meninas!


O Catoninho está de volta!
O nosso imparável empreendedor Catoninho está de volta a esta ilha incrível, cheio de ideias novas e muita genica. Depois de uma longa estadia em Portugal, onde aproveitou para ter aulas de gestão e formação na Delta Cafés, o Catoninho voltou este mês e já está a melhorar o aspeto da sua unidade de café e começando com as obras no seu restaurante.

Timor-Leste

naTerra está de parabéns
A Associação de Educação para o Desenvolvimento Sustentável, naTerra, faz 7 anos em Timor-Leste. Estabeleceu-se em Baucau, a segunda maior cidade e em Dezembro marcou o seu 7º aniversário com a abertura do primeiro espaço em Dili. É um grande passo para o naTerra que pretende trazer os seus produtos para a capital e conta com o MOVE para ajudar na sua comercialização. A parceria começou com esta edição e esperamos que venha a crescer!

Fim do semestre na UNTL: Clube de Empreendedorismo
Para acabar o semestre, organizámos a segunda palestra onde os futuros líderes e empreendedores deste país puderam ganhar motivação com exemplos de empreendedores locais na primeira pessoa. Foi um orgulho estarmos envolvidos com estes jovens que começam a gerar ideias cada vez mais brilhantes. Sucesu Diak!

Fellow do mês

Inês Martins

Após 5 meses nesta maravilhosa ilha, posso dizer com toda a certeza que encontrei a minha segunda casa. Acho que o que melhor descreve esta experiência é que é apaixonante. É impossível não nos apaixonarmos por estas paisagens, pela simpatia e acolhimento deste povo, mas mais do que isso é impossível não nos apaixonarmos pelos projetos que abraçamos e pelas pessoas fantásticas com quem trabalhamos diariamente, que nos ensinam tanto. O meu maior medo antes de embarcar nesta aventura era sentir que não ia fazer a diferença, agora não tenho dúvidas que deixei a minha marca, mas não deixei só isso, parte do meu coração fica aqui também para um dia voltar. Expectativas mais que superadas, só me resta agradecer pela melhor experiência da minha vida. Deso ka paga San Tomé (Obrigada São Tomé!)